Mergulho Scuba

Mergulho Scuba

Mudar linguagem para Inglês
Mudar linguagem para Espanhol
Mudar linguagem para Português
Lagoa Misteriosa Jardim Brazil - Ismael Escote
Mergulho Fernando de Noronha - André Seale
Mergulho Brasil - André Seale
Fernando de Noronha - Dois irmaos - André Seale
Piau 3 pintas no Rio da Prata - Ismael Escote
parrotfish - Fernando de Noronha - André Seale


Artigos


06/10/2009 - 08h06

Fernando de Noronha - É preciso conhecer

 
 

A+

A-

Altera o tamanho da letra

Luiza Spengler Coelho
Fernando de Noronha
Fernando de Noronha

Depois de muitos anos sonhando, finalmente visitei Fernando de Noronha, a ilha localizada no extremo nordeste do Brasil, e pertencente ao Governo de Pernambuco.

A emoção era grande. Antes mesmo de chegar, pesquisei muito na internet para tentar descobrir o máximo possível, principalmente dicas. Já tinha ouvido falar sobre alguns aspectos da ilha, e queria descobrir antecipadamente se eram mentiras ou verdades, coisas como: não há fácil acesso a internet, tudo é caro, existem poucas opções para comida e poucos estabelecimentos aceitam cartão. Mas as pesquisas de nada adiantaram. Para entender Fernando de Noronha, só visitando!

Minhas dicas para visitantes à ilha são:

1) Planeje sua viagem com antecedência mínima de dois meses. O Guia 4Rodas é uma ótima opção para ajudar no planejamento, melhor até que a internet, pois você não corre o risco de cair numa roubada. O julgamento do guia é imparcial;

2) A ilha oferece opções de hospedagem para todos os gostos e bolsos. Recomendo a Pousada Beco de Noronha;

3) O vôo mais rápido sai de Natal. Existem duas companhias aéreas que levam até Noronha: Trip e Gol;

4) Não é necessário levar uma quantidade enorme de dinheiro em espécie pois a maioria dos estabelecimentos aceita cartão;

5) Leve bastante filtro solar, lanchinhos e todos os objetos de uso pessoal que lhe forem indispensáveis, pois tudo na ilha realmente é mais caro;

6) A faixa etária ideal para visitar Fernando de Noronha é de 8 a 65 anos. Crianças muito pequenas não aproveitam a maior parte dos passeios. E a partir de 65, o acesso a muitas praias pode se tornar díficil (muitas possuem escadarias, ladeiras, etc);

7) 5 a 6 dias é o tempo ideal de estadia;

8) Passeios imperdíveis: IlhaTur, Praia de Atalaia, Passeio de Barco, Passeio pelo centro histórico e Mergulho com cilindro;

9) Agende seus passeios em uma das diversas agências espalhadas pela Ilha. A melhor operadora de mergulho com cilindro, que oferece opções desde batismo (mergulho para quem não tem curso) até mergulho técnico e noturno, é a Atlantis Divers;

10) Assista as palestras do Projeto Tamar;

11) Almoce nos restaurantes self-service que ficam no bosque do flamboyant: o Flamboyant e o Ousadia. E jante na Pizzaria NaMoita, na pousada do Zé Maria, no Xica da Silva, entre outros;

12) Não adianta nada ficar estudando o mapa antes de chegar, só estando na Ilha para você aprender a se localizar. Leve sapatos confortáveis, pois a maior parte dos deslocamentos diários na ilha é feita a pé. Sim, é tudo bem mais perto, e a ilha é bem menor do que parece no mapa;

13) Mergulhe com cilindro com a Operadora Atlantis Divers (www.atlantisdivers.com.br).

Realmente, as praias de Fernando de Noronha estão entre as mais bonitas do mundo, principalmente a Baía dos Porcos e a Praia do Sancho. Tão bonitas, que é emocionante visitá-las. O que é imperdível é mergulhar de máscara e snorkel, e ver a vida aquática: tartarugas, peixes coloridos, arraias, tubarões, caranguejos, siris.

Bem, quanto ao aspecto ecoturismo, o que eu descobri nesta visita a Noronha é que até o paraíso, em termos de beleza cênica, não é perfeito em termos de infra-estrutura, e de práticas de conservação ambiental.

A infra-estrutura de trilhas deixa a desejar, não há planejamento de drenagem, cascalhamento, escadas com corrimão. Acessibilidade então, é uma palavra ainda não praticada em Noronha. Cadeirantes não conseguem ter acesso a diversas praias e passeios.

Como Noronha é uma ilha, a adoção de práticas sustentáveis poderia ser mais incentivada pelo governo de Pernambuco, como cisternas, aquecedores solares, energia solar e éolica, hortas e produção de alimentos local.

Resumindo, como todo lugar no Brasil e muitos no mundo, Noronha ainda tem muito a se desenvolver, principalmente em termos da compatibilização do desenvolvimento econômico com a conservação ambiental. Esses dois temas não devem ser inimigos, mas sim, acontecerem paralelamente.

Minha mensagem final é: Fernando de Noronha: é preciso conhecer!

Por Luiza Spengler Coelho, Engenheira Ambiental sul-matogrossense apaixonada pelo ecoturismo.

A reprodução integral ou parcial de textos e fotos deste portal somente é permitida com créditos para o autor e link para a página de onde foi transcrito. É expressamente proibida a reprodução total ou parcial das fotos das galerias sem a autorização prévia dos fotógrafos, os quais estão devidamente creditados nos nomes das galeriasCaso você seja autor de alguma imagem ou texto publicados neste site e deseja remoção ou correção, clique aqui para preencher o formulário de solicitação.


Receba nossa NewsLetter
Name:
E-mail:
Código de segurança:
->